Presidente da Vale pediu afastamento temporário

Presidente da Vale pediu afastamento temporário e mais três diretores da empresa se afastam temporariamente, após força-tarefa que investiga tragédia de Brumadinho recomendar saída temporária do executivo e de outros 13 empregados da mineradora.

Fabio Schvartsman, informou neste sábado (02/02) seu afastamento temporário do gerenciamento da empresa. Sendo aprovado pelo conselho de administração da companhia. A escolha aconteceu devido a força-tarefa que investiga o rompimento da barragem de Brumadinho (MG) ter aconselhado o afastamento do executivo e de outros 13 empregados da mineradora.

Schvartsman declara estar solicitando o afastamento temporário das suas funções “em benefício da continuidade das operações da companhia e do apoio às vítimas e a suas famílias”, comunicando em carta ao Conselho de Administração da Vale. No texto, ele justifica que fez essa escolha “com a absoluta convicção da retidão” e “do dever cumprido até aqui”.

A Vale anunciou Eduardo de Salles Bartolomeo, para assumir o cargo de diretor-presidente interino, no lugar do presidente afastado. Atualmente, Eduardo de Salles Bartolomeo é diretor-executivo de metais básicos da mineradora.

Fora Schvartsman, também houve o afastamento temporário de outro três diretores, são eles: Peter Poppinga, diretor-executivo de ferrosos e carvão, Lucio Flávio Gallon Cavalli, diretor de planejamento e desenvolvimento de ferrosos e carvão, e Silmar Magalhães Silva, diretor de operações do corredor sudeste.

Em nota, a Vale afirmou que os afastamentos temporários foram realizados pelos próprios diretores que encaminharam os pedidos, e que foram aceitos pela própria companhia. Na declaração a empresa já identifica os substitutos. Claudio de Oliveira Alves, ocupará provisoriamente a função de diretor-executivo de ferrosos e carvão no lugar de Poppinga, sendo atual diretor de pelotização e manganês. Mark Travers, fica sendo temporariamente o diretor-executivo de metais básicos, ocupando a vaga deixada pela transferência de Bartolomeo à presidência, sendo seu cargo atual de diretor jurídico, de relações institucionais e sustentabilidade de metais básicos.

Na última sexta-feira o conselho de administração da companhia recebeu um documento assinado por integrantes da força-tarefa que investiga a tragédia – composta por membros do Ministério Público Federal, do Ministério Público de Minas Gerais, da Polícia Federal e da Polícia Civil de Minas – sugerindo o afastamento de Schvartsman e mais 13 profissionais da empresa enquanto as investigações sobre o rompimento de uma barragem da Vale em Brumadinho, no dia 25 de janeiro, se encontra em andamento. A tragédia deixou 186 mortos e 122 desaparecidos.

A força-tarefa, também solicita no texto que Schvartsman e mais oito dos investigados “sejam proibidos de entrar em prédios ou instalações da mineradora” e que os funcionários da Vale não compartilhem assuntos de “teor estritamente profissional” com os investigados.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *