Policia faz investigação para apurar os maus-tratos ao cãozinho do Carrefour

NOTICIAS

Caso do Assassinato Cãozinho do Carrefour gera comoção e investigação Policial

A Polícia Civil  do Estado de São Paulo, abriu um inquérito para investigar se o caso do cachorro abandonado, conhecido como Manchinha, que morreu após ter sido resgatado brutalmente agredido na semana passada, no estacionamento de um hipermercado em Osasco, na Grande São Paulo.

A policia quer confirmar e juntar as possíveis existentes provas de que o cão foi vítima de maus-tratos. Outra possibilidade investigada é a de que Manchinha tenha sido atropelado ou envenenado.

Começaram a circular nas redes sociais  imagens de videos que mostram o animal sendo perseguido por um segurança do Carrefour com uma barra de alumínio. Depois, o cão aparece mancando e sangrando na pata esquerda.

Em seguida, um funcionário do Departamento de Fauna e Bem-Estar Animal da prefeitura usa um enforcador para imobilizar o cão e leva-lo. O cachorro chegou a ser atendido por veterinários, mas não resistiu e morreu.

ASSUNTO RELACIONADO

Agressor de cãozinho no Carrefour não foi preso

De acordo com as informações do G1. Os ativistas  que lutam pela proteção dos animais querem cobrar justiça para o que classificam como abuso ao cão praticado pelos empregados do Carrefour e da prefeitura.

De acordo com a assessoria de imprensa da Secretaria da Segurança Pública (SSP), o caso é investigado como maus tratos e abuso a animais pela Delegacia de Polícia de Investigações Sobre o Meio Ambiente (DIICMA).

Ainda segundo o G1, no boletim de ocorrência do caso, consta ainda a informação de que o animal chegou ao Departamento de Bem-Estar e foi atendido por uma veterinária “já desfalecido e agonizando, tendo sido diagnosticado, de acordo com o relatório técnico de atendimento (…) com hemorragia digestiva alta e outros males decorrentes”.

No registro policial, diz que “durante o atendimento e manobras de reanimação, o animal apresentou parada respiratória e sucumbiu, vindo a óbito, na mesma data, antes do meio-dia”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *