Lira esta se vendendo ao PT para conseguir presidência na câmara

PUBLICIDADE

O deputado federal Arthur Lira (PP-AL), um dos líderes do centrão, lançou oficialmente sua candidatura à Presidência da Câmara dos Deputados.

Para buscar apoio dos partidos de esquerda, o parlamentar se comprometeu com três pautas: combate ao “lava-jatismo”, mudanças na Lei da Ficha Limpa e volta de financiamento a sindicatos.

O Partido dos Trabalhadores (PT), que tem o maior número de parlamentares na Casa, vive uma divisão interna.

Enquanto alguns defendem uma aliança para eventualmente conseguir espaço na Mesa Diretora, outros deputados preferem que o partido aposte em um nome do próprio campo.

A executiva da legenda deve se reunir na próxima sexta-feira (11) para definir o posicionamento do PT.

“Vou aguardar a decisão da executiva nacional e também reuniões que devem ocorrer com semana que vem. Mas a minha tendência é pela composição”, declarou o deputado Zeca Dirceu (PT-PR), ao ser questionado se Lira poderia ser o candidato apoiado pela sigla.

Na terça-feira (8), Arthur Lira se reniu com a bancada do Partido Comunista do Brasil (PCdoB). No encontro, que durou uma hora, ele tentou desvincular sua candidatura do Planalto e pediu à bancada que lhe envie uma pauta de interesses para analisar o que poderá ser atendido em um eventual mandato de presidente da Câmara.

OUTRO LADO

Após a repercussão da aproximação de Arthur Lira com partidos de esquerda, o deputado foi às redes sociais na noite desta quarta-feira (9) para negar que tenha tratado de mudanças na Lei da Ficha Limpa.

O parlamentar, contudo, não se manifestou sobre as apurações relacionadas a financiamento de sindicatos e combate ao “lava-jatismo”.

“Eu, como candidato ao cargo de presidente da Câmara dos Deputados, tenho a obrigação de conversar com todos os líderes e com todos os partidos. Em nenhum momento tratei de mudanças em projeto de Ficha Limpa. Sigo conversando com todos os partidos”, escreveu.

Em outra publicação, Lira disse que, caso eleito, fará questão de escolher uma mulher para ocupar um cargo na Mesa Diretora a fim de “desmontrar que a capacidade da mulher neste parlamento não é só para tratar de temas relacionados a mulheres, mas temas sensíveis do nosso país, de qualquer área, de qualquer assunto”.

*Conexão Política

Compartilhe isso:

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *