Arizona vai fazer auditoria no sistema de votação da Dominion após encontrar fraudes em Michigan

PUBLICIDADE

A Dominion Voting Systems ainda está sob escrutínio em vários estados-chave onde o Presidente dos EUA, Donald Trump, está contestando os resultados das eleições presidenciais americanas.

Depois de uma audiência legislativa de seis horas sobre as eleições gerais de 3 novembro, o Senado do Arizona anunciou que emitirá intimações para investigar e auditar as máquinas de contagem de votos no condado de Maricopa, o condado mais populoso do estado.

O presidente do Comitê Judiciário do Senado, o senador republicano Eddie Farnsworth, disse que intimações seriam emitidas exigindo que as máquinas da Dominion Voting Systems e seu software fossem auditados.

As intimações vão “garantir que pelo menos a legislatura tenha um processo em vigor” para examinar a “veracidade” das eleições de 2020, disse ele.

Mesmo que tenha havido alguma discordância entre as autoridades estaduais se a legislatura estadual tem autoridade para ordenar tal auditoria, as autoridades municipais podem dar luz verde para uma auditoria, bem como uma recontagem manual dos 2,1 milhões de votos dados.

Autoridades do condado disseram que uma auditoria das máquinas e uma recontagem das cédulas não podem ser concluídas até que o litígio seja concluído, o que pode acontecer no final desta semana.

Auditoria Forense da Dominion em Michigan

Enquanto isso, em Michigan, uma equipe forense de auditores descobriu que um Sistema de Votação da Dominion usado pelo Condado de Antrim para as eleições gerais de 3 de novembro tinha uma taxa de erro de 68%.

A auditoria das máquinas da Dominion foi conduzida em 6 de dezembro pela Allied Security Operations Group, uma empresa de segurança cibernética perto de Dallas, no Texas, cuja equipe incluía membros com experiência nas forças armadas, Serviço Secreto, inteligência, NASA e outros campos. A auditoria foi solicitada pelo advogado de Michigan, Matthew DePerno.

Em um relatório divulgado na segunda-feira (14), a equipe disse: “Concluímos que o Sistema de Votação Dominion é intencional e propositalmente projetado com erros inerentes para criar fraude sistêmica e influenciar os resultados eleitorais”.

“O sistema gera intencionalmente um número enormemente alto de erros de votação. As cédulas eletrônicas são então transferidas para julgamento. Os erros intencionais levam à adjudicação em massa das cédulas sem supervisão, sem transparência e sem trilha de auditoria. Isso leva a fraude eleitoral ou eleitoral”, observou o relatório.

“Com base em nosso estudo, concluímos que o The Dominion Voting System não deve ser usado em Michigan. Concluímos ainda que os resultados do Condado de Antrim não deveriam ter sido certificados”, continuou o relatório.

Os equipamentos da Dominion são usados ​​na maioria dos condados de Michigan e em vários estados do país, incluindo em condados do Arizona.

Os auditores encontraram uma taxa de erro muito alta e dizem que o sistema apresenta falhas.

“O registro de tabulação para o exame forense do servidor para o condado de Antrim de 6 de dezembro de 2020 consiste em 15.676 eventos individuais, dos quais 10.667 ou 68,05% dos eventos foram erros registrados. Esses erros resultaram em erros de tabulação geral ou votos enviados para julgamento. Esta alta taxa de erro prova que o Sistema de Votação Dominion é falho e não atende às leis eleitorais estaduais ou federais”, diz o relatório.

Como resultado das descobertas da equipe forense, o apartidário Amistad Project, da organização sem fins lucrativos Thomas More Society, anunciou que está exigindo a preservação de evidências em cinco estados decisivos, que foram aprovados para liberação pelo juiz do 13º Circuito, Kevin Elsenheimer.

“Estamos entrando com um pedido em todos os estados decisivos para que os juízes intervenham e preservem as evidências para evitar que sejam destruídas ou estragadas por atos intencionais ou imprudentes de funcionários executivos”, disse Phill Kline, diretor do Projeto Amistad, que também já arquivou processos eleitorais no Arizona, Geórgia, Michigan, Pensilvânia e Wisconsin.

“A taxa de erro detalhada neste relatório tem implicações para todos os estados onde temos processos, e chega em um dia em que as autoridades estão impedindo os legisladores de se pronunciarem sobre as eleições em seus estados”, disse Kline. “Isso se junta a outras evidências convincentes de que as eleições nesses estados não podem ser certificadas pela lei.”

O Departamento Eleitoral de Michigan emitiu um memorando em 1º de dezembro instruindo os secretários eleitorais de que os arquivos eletrônicos das urnas devem ser excluídos de todos os laptops e pen drives.

O Projeto Amistad está pedindo aos juízes em todos os estados indecisos que emitam ordens de emergência evitando que as autoridades estaduais e locais destruam tais provas.

**Você Gosta do nosso conteúdo? Entre em nosso Canal do telegram e seja o primeiro a receber ele. >>> TELEGRAM!

Compartilhe isso:

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *